♥ Seguidores♥

Mostrando postagens com marcador #sp. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #sp. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Carmen.

Carmen.
O romance Carmen de Prosper Mérimée serviu de base para a peça Carmen de Luiz Farina.
Nesta semana que passou, tivemos o prazer e o privilégio de ver a estréia da peça Carmen, interpretada pela minha atriz predileta: Natalia Gonsales.
Na trama da peça, José narra o seu amor por Carmen e o motivo que o levou a prisão, enquanto que Carmen, através da obliquidade de seus olhos, narra o seu ponto de vista em relação a história.
O trágico romance "Carmen" é ambientando na Espanha e narra a história de amor entre José e Carmen.
José era um soldado que caiu em desgraça ao deixar que Carmen fugisse, ao invés de ser presa. Ela seduz José, que acaba se transformando em um contrabandista e foragido da lei, manipulando-o ao seu bel prazer. Carmen é uma das mais enigmáticas personagens da literatura universal.
Elenco:Flávio Tolezani, Natalia Gonsales e Vitor Vieira.

Serviço:

TEMPORADA: 30 de junho a 20 de agosto sexta e sábado às 20h30 e domingo às 19h.

Classificação: 12 anos.

Gênero: drama.

Local: Teatro Aliança Francesa.

Rua Gen. Jardim, 182 - Vila Buarque, São Paulo - SP, 01220-000 Telefone: 11-3572.2379

Capacidade: 226 lugares + 4 PNE Ingresso: Valor R$ 50,00 (inteira) / R$ 25,00 (meia-entrada).
Horário de funcionamento da bilheteria: duas horas antes do espetáculo.

Teatro Aliança Francesa.

Ingressos: Ingresso Rápido.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Amor, Humor O Resto É Bobagem.

Amor, Humor O Resto É Bobagem.
Sábado foi  a última apresentação da temporada da peça Amor, Humor, O Resto É Bobagem, que é uma comédia que trata sobre o cotidiano de quatro amigos e seus relacionamentos amorosos. A peça rendeu muitas risadas e deixou a noite mais leve. 
Elenco: Monica Carvalho, Sandro Pedroso, Renata Brás e Michelle Galego.
  Teatro União cultural.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Enquanto as Crianças Dormem.

Enquanto as Crianças Dormem.
Foto: Leekyung Kim
O espetáculo Enquanto as Crianças Dormem é um antimusical tragicômico, Dan Rosseto (autor e diretor), discute o que o ser humano seria capaz de fazer para realizar os seus sonhos.
Foto: Leekyung Kim
Enquanto as Crianças Dormem, conta a história de Kelly (Carol Hubner) uma fã do musical O Mágico de Oz, que trabalha como atendente de uma rede de fast-food e sonha em imigrar para a América e se tornar uma atriz de musical na Broadway.
Foto: Leekyung Kim
Sem perspectivas para realizar o seu desejo, a mulher fantasia sua rotina transformando em números musicais momentos da sua vida: um dia difícil na lanchonete se torna um show onde ela é a grande estrela. Mas como a vida não sorri para a mulher, à medida que a história avança ela acumula experiências ruins, fazendo com que os sonhos se transformem em pesadelos terríveis.
Foto: Leekyung Kim
Num inusitado encontro no supermercado, Kelly vê uma possibilidade de transformar o seu sonho em realidade ao conhecer Ellen (Carolina Stofella), uma mulher disposta a financiar passagem, passaporte e dólares para bancar as suas despesas na América.
Foto: Leekyung Kim
Mas qual será o preço a pagar? E se há um preço, o que pode acontecer quando alguém muda por completo a sua vida e embarca numa jornada sem redenção? Kelly e Ellen, serão cúmplices ou inimigas? E você, estaria disposto a tudo para realizar um sonho?
Foto: Leekyung Kim
Elenco: Carol Hubner, Carolina Stofella, Diogo Pasquim, Haroldo Miklos, João Sá, Juan Manuel Tellategui, Roque Greco e Samuel Carrasco
Texto e direção: Dan Rosseto 

Assistente de direção: Diogo Pasquim 
Direção de produção: Fabio Camara
Produção executiva: Roque Greco 
Trilha sonora original: Fred Silveira
Letras originais: Dan Rosseto
Figurinos: Kleber Montanheiro
Assistente de figurino: Marina Borges
Cenário e adereços: Luiza Curvo
Cenotécnico: Domingos Varela
Desenho de luz: César Pivetti e Vania Jaconis
Preparação de elenco: Amazyles de Almeida
Direção de movimentos e coreografias: Alessandra Rinaldo e João Sá
Operador de luz e som: Jackson Oliveira
Designer gráfico: André Kitagawa e Francine Kunghel
Fotos: Leekyung Kim
Assessoria de Imprensa: Fabio Camara 
Realização: Applauzo Produções e Lugibi Produções Artísticas
Foto: Leekyung Kim
LOCAL: Teatro Aliança Francesa, Rua General Jardim, 182 – Vila Buarque. 226 lugares+ 04 PNE. (Estacionamento conveniado em frente) 
DATA: 31/05 até 27/07 (Quartas e Quinta às 20h30) 
INFORMAÇÕES: 3572 2379 e www.teatroaliancafrancesa.com.br 
INGRESSOS: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia)  
DURAÇÃO: 110 min 
CLASSIFICAÇÃO: 14 anos 

Informações retiradas do release de imprensa.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Malefícios Do Amor.

Malefícios do Amor.
Trilogia Anton Tchékhov.
Três peças, três cenários, três figurinos em um único espetáculo. Essa é a proposta de Malefícios do Amor - Trilogia Tchékhov - que divertirá o público com as mais famosas comédias dramáticas curtas do grande dramaturgo russo Anton Tchekhov.
Os textos são considerados pequenas obras-primas de alto valor dramatúrgico, todos "temperados" com as marcas típicas da poética tchekhviana: brevidade e ligeireza dos diálogos, linguagem despojada e, principalmente, um humor ácido e crítico que os mantêm extremamente atuais para o mundo contemporâneo.
Ágil, divertida e enriquecida pela astúcia e sagacidade de um dos maiores dramaturgos de todos os tempos.
Informações retiradas do programa da peça.
O Urso: Retrata a história da viúva Helena Ivánovna Popov, seu criado Luká, e um credor: tenente Grigóri Stepánovitch Smirnov, que adentra em sua casa para cobrar uma antiga dívida de seu falecido marido. Quando fica evidente a impossibilidade de acerto de contas, inicia-se uma trama envolvente, cheia de nuances com pitadas de humor, drama, ironia e sedução. Um texto dinâmico, profundo, com momentos intensos e reveladores dos sentimentos da alma humana.
O Jubileu: Chega o grande dia para Andrei Andréievitch Chiputchin, presidente do banco que aguarda, ansioso, que Kusmá Nikolaevich, seu assistente, acabe de escrever o seu discurso que será lido para os membros da delegação dos acionistas do banco.  ele só não contava com a visita de sua jovem, bela e fútil esposa e uma senhora velha que estão dispostas a causar uma grande confusão neste dia tao importante.
O Pedido de Casamento: Ivan Vassilievitch Lomov vai até a propriedade de seu vizinho, Stepan Tchubúkov, pedir a mão de sua filha em casamento, para felicidade deste. É com grande efusividade que Natalia Stepánovna, de temperamento nada fácil, é chamada à presença  de Ivan, sem que saiba a razão da visita do seu vizinho. Cada vez que ele tenta falar do assunto, a conversa muda de rumo e se transforma em uma grande confusão, misturando e oscilando sentimentos de teimosia, amizade, inveja, vaidade e amor. A comicidade natural do texto é reforçada em meio as crises de saúde do rapaz que sofre de hipocondria.
Elenco: Francisco Carvalho e Liza Vieira. 
Elenco: Lia Tucci e Warney Paulo.
Teatro Jaraguá.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Há Sempre Algo De Ausente Que Me Atormenta.

Há Sempre Algo De Ausente Que Me Atormenta.
Autor:Marcelo Novazzi.
Elenco:Miriam Palma e Paula Ernandes.
A peça "Há sempre algo ausente que me atormenta " discorre sobre as reflexões e angústias da escultora francesa Camille Claudel, em 1932, num manicômio, na França, onde a artista está internada. A ação se passa a partir de carta que Camille recebe do amigo e incentivador Eugene Blot. A personagem começa a questionar sua vida, seu romance com Rodin e sua obra, e perceber quão entrelaçadas todas essas coisas estão. Mas, apesar da mágoa, existe ainda um lado ingênuo e romântico que faz com que ela, antagonicamente, nutra uma certa esperança de ter novamente uma vida normal, perto da família.

Pelo fato do texto apresentar esses dois lados da alma fragmentada da escultora, e também por conta da esquizofrenia da qual sofria, a personagem é interpretada por duas atrizes, que representam Camille em duas fases de sua vida no manicômio.

Esses dois “tempos” da personagem travam um diálogo/monólogo no espaço cênico dividido pelas atrizes num embate reflexivo em que a Camille madura interage como alter ego da outra. O título da peça se refere a uma frase que consta em carta escrita por ela ao escultor Auguste Rodin.

Informações retiradas da página:   https://www.facebook.com/hasemprealgodeausentequemeatormenta
Auditório da Martins Fontes, Avenida Paulista, 509. Sextas e sábados, às 20:30 h.

domingo, 27 de novembro de 2016

33 Variações de Beethoven.

33 Variações de Beethoven.
De Moysés Kauffman
video
33 Variações é o primeiro musical erudito a ser montado no Brasil. Escrito por Moisés Kaufman onde uma musicologa pesquisa a criação das 33 Variações de Ludwig Van Beethoven a partir de um curto tema para piano. Estreou na Broadway em março de 2009, estrelado por Jane Fonda e o Brasil em Janeiro de 2016 interpretado por Nathalia Timberg.

A peça examina simultaneamente o processo criativo por trás das Variações Diabelli de Beethoven
É a viagem de uma musicóloga, Katherine, para descobrir porquê Beethoven foi obrigado a escrever trinta e três variações distintas sobre um tema medíocre. A progressão da esclerose amiotrófica lateral de Kayherine e o relacionamento com sua filha também são temas, além de falar da crescente surdez de Beethoven - vivido por Wolf Maya.

A ação ocorre tanto na época de Beethoven quanto no presente, mudando aleatoriamente passado e presente, vagando entre os dois temas.

Informações retiradas do programa da peça 33 Variações de Beethoven.

Elenco: Nathalia Timberg, Wolf Maya, Lu Grimaldi, Flavia Pucci, André dias, Gustavo Engracia, Beto Schultz e Gil Coelho.
Teatro Nair Bello.