♥ Seguidores♥

Mostrando postagens com marcador #sp. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #sp. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 18 de junho de 2018

A Profissão da Senhora Warren.

A Profissão da Senhora Warren.
Direção: Marco Antônio Pâmio.
A Profissão da Senhora Warren é uma das mais importantes peças de Bernard Shaw. Aqui os personagens mostram ora abertamente, ora sutilmente, a hipocrisia da sociedade e a verdade das relações sociais e humanas de maneira nua e crua. Tendo como pano de fundo a verdadeira profissão da Senhora Warren, que é de conhecimento de todos menos da sua filha. Essa revelação é o ponto principal da peça, pois a partir desse momento, travam-se confrontos ideológicos entre as duas, cada uma defendendo suas convicções morais e o papel que cada uma acha que é o destinado as mulheres.

Adorei esta oportunidade de ter lido o livro e visto a peça. Fiquei muito feliz de terem transportado para o palco de maneira fiel um excelente texto e com um elenco fantástico. Todos estavam perfeitos.

Considerada por Bernard Shaw (1856 – 1950) uma de suas melhores peças, A PROFISSÃO DA SENHORA WARREN, texto clássico da dramaturgia, foi proibida de ser encenada tanto na Inglaterra quanto nos EstadosUnidos, no início do século XX. Não era para menos. A honestidade cortante dos embates entre mãe e filha, aaudácia com que se desmontam convenções sociais e afetos de fachada, o confronto sem cerimônias dosuniversos feminino e masculino são desconcertantes, mesmo dentro da dramaturgia reconhecidamente anticonvencional de Shaw. Embora nós, mulheres contemporâneas, nos identifiquemos com Vivie, não há como não admirar a assertiva Sra. Warren que fez o que fez, de início por necessidade, mas que tem prazer no que faz e por isso continua a exercer sua “profissão”. Esta é uma fresta realmente anárquica no texto de Shaw. Será que a repulse de Vivie não é uma nova forma de preconceito? É uma peça de mulheres fortes, “masculinas” na sua coragem desabrida, mulheres que estabeleceram seus próprios parâmetros com vigor.
Nestes tempos em que o empoderamento feminino é um tema incontornável, esta peça cai como uma luva.
Informações retiradas: Ingresso Rapido
Elenco: Clara Carvalho, Karen Coelho, Caetano O'Maihlan, Claudio Curi, Mario Borges e Sergio Mastropasqua.
Duração: 100 minutos 
Recomendação: 14 anos 
Serviço: MASP Av. Paulista, 1578 - Bela Vista- tel: 3149-5920 
Apresentações: Sex 21h, R$30,00 | Sáb 21h, R$50,00 | Dom 29h, R$50,00
Temporada: Até 01/07/2018

quinta-feira, 17 de maio de 2018

O Leão No Inverno.


O Leão No Inverno.
Texto: James Goldman.
Dia 15 (terça-feira), foi o ensaio aberto da peça "O Leão No Inverno", que estreia no dia 18 de maio. O espetáculo tem uma ótima história que retrata sobretudo complôs, traições, conchavos, manipulação e a busca incessante pelo poder. Os personagens são complexos e os diálogos são fortes e intensos. Em "Leão no Inverno", a realeza usa de todos os meios para alcançar seus objetivos. 
Na meia-idade, mas ainda forte e poderoso, o Rei Henrique II mantém sua esposa, a lendária rainha Eleanor, de Aquitânia, confinada em uma torre, por alta traição. Nas festas de fim de ano, ele a solta e a convida para se juntar à família. Eleanor aproveita a oportunidade e começa a conspirar, pois quer influir na sucessão de Henrique.
Ela luta para que seu filho mais velho, Ricardo, o futuro “Coração de Leão”, seja o próximo rei. Henrique, por outro lado, prefere o filho caçula, que ficará, mais tarde, conhecido como João “Sem-Terra”.
Nem Henrique, nem Eleanor, se importam muito com o filho do meio, Geoffrey, que ora se alia a um irmão, ora a outro. Geoffrey está apenas interessado em obter as maiores vantagens, qualquer que seja o escolhido para ocupar o trono.
Elenco: Leopoldo Pacheco, Regina Duarte,Caio Paduan, Filipe Bragança,
Camila dos Anjos, Michel Waisman, Sidney Santiago Kuanza .
Teatro Porto Seguro.
Gênero: Drama 
Duração: 100 minutos
Classificação Etária: 12 anos 
Sextas e sábados, às 21h
Domingos, às 19h

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Pança.

Pança.
o espetáculo apresenta, com humor e ironia, questões relacionadas ao mercado, à economia mundial e às sociedades estabelecidas à margem do Estado. A dramaturgia se debruça sobre essa realidade com poesia e lirismo, trazendo à cena, entre outras referências históricas e artísticas, a clássica relação entre Dom Quixote de La Mancha e seu fiel escudeiro, Sancho Pança. Os personagens de Miguel de Cervantes somam-se às inspirações kafkianas e antropofágicas, que também compõem a narrativa.
Pança é o segundo homem mais importante da maior potência econômica do planeta, braço direito do todo poderoso Dom Quixote. Sua tarefa é explicar para os iniciantes, aspirantes ao poder, quais são as regras quando as regras são as regras da vida. O personagem corta grandes pedaços de carne diante de seus ouvintes, ao mesmo tempo que esmiúça, com humor e requintes de crueldade, o funcionamento da economia mundial, a decadência do estado de direito e a instabilidade das relações humanas em sua forma mais bruta. O boato de que ele costuma virar cachorro atrai ainda mais interessados em ouvir o que ele tem a dizer.
Informações retiradas: Funarte.

Ficha técnica:
Atuação: Beto Magnani | Texto: Leo Lama | Direção: Robert Coelho | Assistência de direção: Johnny Faustino | Desenho de luz: Osvaldo Gazotti | Trilha Sonora: Fernando Vasques | Cenário: Silvia Mokreys | Figurino: F. F. Kokocht | Assistência de Figurino: Gilda Vandenbrande | Fotografia e vídeo: Gabriel Seabra | Identidade visual: Magú | Direção de produção: Gabriela Fiorentino | Produção executiva: Ton Prado e Johnny Faustino | Assessoria de imprensa: Adriana Monteiro (Oficio das Letras) | Produção: Charge Produções Artísticas | Realização: Quadrilha de Teatro Notívagos Burlescos.

Em cartaz até 27 de maio. 
Quartas e domingos, às 20h, de quintas a sábados, às 21h.
 Teatro de Arena Eugênio Kusnet.

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Os Produtores.

Os Produtores.
Musical.
Produtores é um musical muito engraçado, com um cenário bonito e um elenco maravilhoso. A peça é digna do grande diretor Miguel Falabella, que tem uma visão incrível para peças que se tornam grandes sucessos.
Nunca pensei que iria me divertir tanto em um musical tendo como pano de fundo  um personagem tão odiado feito o Hitler. As canções são muito divertidas e o cenário e a coreografia  são dignas da Broadway.
Rimos demais com os dois picaretas querendo aplicar o golpe nas velhinhas, querendo fazer o pior espetáculo do mundo para poderem fugir com o dinheiro dos patrocinadores.
Primavera de 1959 em Nova York. O produtor Max Bialystock (Miguel Falabella) amarga seu último fracasso no teatro quando chega, em seu escritório, um contador tímido e um tanto nervoso, Leo Bloom (Marco Luque), para revisar a contabilidade. Sem querer, Leo descobre que um produtor pode ganhar mais dinheiro com um fracasso do que com um sucesso. “Você pode juntar um milhão de dólares de investidores, gastar cem mil e guardar o resto!”. A ideia faz brilharem os olhos de Max, que convence o até então honesto contador a se associar a ele.
A dupla então se dedica a encontrar a pior obra jamais escrita, conseguir o mais desastroso diretor de teatro e produzir o maior fracasso da história. A eles junta-se Ulla (Danielle Winits), uma dançarina sueca que conquista seu espaço com algum talento e belas pernas. No entanto, nem tudo sai como planejado: a obra resulta num estrondoso sucesso, o golpe é descoberto e ambos são presos. Mas o que parece o fim acaba virando um novo começo. Após saírem da prisão, Max e Leo voltam à Broadway com o musical “Prisioneiros do Amor”. Desta vez, porém, a ideia é fazer sucesso e a peça é um recomeço para os dois.
A superprodução volta repaginada em 2018, com mais de 16 cenários, mais de 350 peças de figurino, 60 perucas, uma orquestra de 11 músicos, equipe técnica e de produção de 100 pessoas e um grande elenco de 25 atores.
A versão atual tem um maior número de cenários, além de mais grandiosos do que a edição de 2007. A cenografia procurou retratar todas as atmosferas que envolvem um espetáculo musical ao recriar ambientes como o espaço de audição, o teatro, além de outros lugares que se passam a história como um tribunal, a casa do diretor, escritório de contabilidade, prisão, tribunal, a cidade. Todos os espaços foram reproduzidos nos mínimos detalhes. A riqueza também está inserida nos figurinos que misturam cores e texturas e se transformam em extensões dos personagens.
Informações: Teatro Procópio Ferreira
Elenco:Miguel Falabella, Marco Luque, Daniele Winits, Carlos Leça, Carol Costa, Ubiracy Brasil, Pedro Paulo Bravo, Edgar Bustamante, Mauricio Xavier, ...
Teatro Procópio Ferreira
Temporada: Até 01/07/2017

sexta-feira, 6 de abril de 2018

A Noviça Rebelde.
The Sound Of Music.
A Noviça Rebelde é um dos musicais mais populares e estreou recentemente em São Paulo. Foi maravilhoso reviver esse clássico que conta uma das mais lindas história de amor (verídica), em uma super produção.
A Noviça Rebelde é um espetáculo grandioso e com atuações perfeitas de todo o elenco. Amei cada segundo do musical e nem senti o tempo passar de tão perfeito que foi.
O Musical conta a história verídica da família de cantores Von Trapp, mostrando desde os dias da então noviça 'Maria' (que antes de se tornar 'Von Trapp' tinha como sobrenome 'Kutscher') num convento em SalzburgoÁustria, até o momento em que a família foge do país quando este é ocupado pelos nazistas, que estão prestes a prepararem o Anschluss.
Maria, que não consegue seguir as rígidas normas de conduta das religiosas, é enviada para trabalhar como governanta dos 7 filhos do 'Capitão Georg von Trapp'; este é viúvo, e desde a morte de sua esposa educa as crianças com rigor militar.
A chegada de Maria modifica drasticamente a vida da família ao trazer alegria e conquistar o carinho e o respeito das crianças. No início ela enfrenta alguns problemas com o Capitão, mas este acaba desenvolvendo um grande afeto pela jovem ao ver que ela conseguiu fazer o que nenhuma outra governanta havia antes feito pelas crianças. Eles acabam se apaixonando, e o capitão, antes comprometido com 'Elsa Schraeder', uma rica baronesa de Viena, rompe o noivado para poder se casar com Maria.
Porém, daí para frente, nem tudo na vida da família será tão fácil assim, pois quando os nazistas dominam a Áustria, o capitão é convocado para servir na marinha alemã. A família decide, então, fugir de carro através da fronteira. Mas as fronteiras são fechadas e eles se veem obrigados a caminharem pelas montanhas. Numa das mais emocionantes sequências do cinema, embalada pela canção Climb Ev'ry Mountain, o filme termina com a família nas montanhas, mostrando a importância de viver em família, um ajudando ao outro.
Informações retiradas: Wikipedia
Teatro Renault.

domingo, 25 de março de 2018

Bem Sertanejo O Musical🎭🔝🎶.

Bem Sertanejo O Musical🎭🔝🎶.
A História da Música Sertaneja, do Campo Á Cidade.
Texto e Direção: Gustavo Gasparani. 
Pense em um musical de raiz, o musical que a gente respeita, se emociona e que ri de montão. Saímos simplesmente encantados com a história da música sertaneja. Quero ver novamente, vale muito a pena.
A peça conta a trajetória e a formação da música caipira e da cultura interiorana do nosso país de forma poética e não cronológica. Proponho uma viagem pelos nossos interiores – memórias, infância, descobertas – resgatando, assim, o sertão que há em cada um de nós, e ao mesmo tempo, um contato direto com as nossas raízes culturais. Um sertão mítico, onde o erudito se encontra com a alma popular para criar a identidade de um povo. Um encontro livre de preconceitos e longe da palavra progresso. Onde Tarsila, Mário de Andrade e Villa-Lobos se encontram com Tonico e Tinoco, Mazzaropi, Jararaca e Ratinho e tantos outros”, explica Gustavo Gasparani.
Para entender... No final do século XVII, com a descoberta do ouro, o país foi primeiramente desbravado por bandeirantes e, em seguida, foram os tropeiros que levaram todo tipo de alimentos sobre o lombo das mulas. Tocavam as suas comitivas por caminhos que saíam do Rio Grande do Sul até os sertões de Minas, Mato Groso e Goiás, passando por Santa Catarina, Paraná e São Paulo. É através dessas trilhas poeirentas que se desenvolve o primeiro ato da peça. Um grupo de atores/tropeiros, com suas violas caipiras, desbrava o sertão brasileiro e durante o trajeto revela toda a riqueza desse mundão velho sem porteira, com sues causos, lendas, piadas e canções.
O primeiro ato é completante rural, lírico, interiorano, entremeado por poemas de Cora Coralina, Manoel de Barros, e inspirado no universo de Guimarães Rosa. Flerta, ainda com o movimento modernista, que ajudou na construção da nossa identidade brasileira, nos versos de Mário de Andrade, Manoel Bandeira, na música de Villa-Lobos e na obra de Tarsila do Amaral, que inspirou a cenografia da peça.
Monteiro Lobato, Catulo da Paixão Cearense, Chiquinha Gonzaga, Mazzaropi, Jararaca e Ratinho, Alvarenga e Ranchinho também fazem parte desse nosso sertão. Toda a cena se passa no meio do mato, com jeito e perfume de mato. Um sertão mítico, onde o erudito se encontra com a alma popular para criar a identidade de um
 povo. Um encontro livre de preconceito e longe da palavra progresso.
No segundo ato, o foco será a trajetória dos artistas caipiras, desde as primeiras apresentações pelo interior até chegar a cidade grande: como aquele sertão mítico, isolado do resto do país, vai ficando cada vez mais para trás e os efeitos da sua transformação devido ao progresso e a globalização. O grupo de atores, agora, representa o típico caipira - com seu chapéu de palha e camisa xadrez - e vai se modificando através do circo/teatro, do rádio e da tv, até chegar ao universo pop/multimídia da música sertaneja atual. É nesse contexto que discutiremos a rivalidade que há entre o sertanejo pop e o caipira raiz. Mas será que ela existe mesmo? E assim, a tradicional viola caipira das rotas de tropeiros sai do interior do Brasil, se transforma, dialoga com o temporâneo e vai conquista o mundo.
Informações retiradas do programa do espetáculo.
A montagem conta a história da música sertaneja, desde a sua origem caipira, no século 17, até os dias mais recentes e traz no repertório cerca de 56 sucessos de nomes consagrados, como Tonico e Tinoco, Sérgio Reis, Almir Sater, Renato Teixeira, Chitãozinho e Xororó, Leandro e Leonardo, Zezé Di Camargo e Luciano, Gustavo Lima, Henrique e Juliano, Jorge e Mateus, entre outros.
Elenco: Michel Teló - Lilian Meneses - Alan Rocha - Cris Gualda - Daniel Carneiro - Gabriel Manita - Jonas Hammar - Luiz Nicolau - Pedro Lima - Rodrigo Lima - Sergio Dalcin
Teatro Bradesco.