♥ Seguidores♥

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (File)

Festival Internacional de Linguagem Eletrônica(File).

Que tal desconstruir a estética da arte convencional, unindo tecnologias contemporâneas às mais diversas formas de linguagem artística? Pois a 17ª edição do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (FILE) está aí para isso. A mostra começa nesta terça-feira, 12 de julho, e vai até 28 de agosto, diariamente, das 10h às 20h, nos espaços do Centro Cultural Fiesp-Ruth Cardoso, na sede da Fiesp e do Sesi-SP, na Avenida Paulista, em São Paulo.
A mostra, que convida o visitante a “passar dos limites”, reunirá 331 trabalhos, divididos entre instalações interativas, obras de realidade virtual com uso de óculos 3D, games, animações, videoarte, net arte, arte sonora e performances. São trabalhos feitos por 339 artistas de 31 países.

“O FILE se tornou um dos eventos culturais mais aguardados do ano”, diz Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Sesi-SP. “O festival é o lugar de encontro do público com a cultura e com as últimas novidades da ciência e da tecnologia. O Sesi-SP tem um papel importante nessa história, investindo quase R$ 8.000.000,00 nestes dez anos de parceria com o FILE, porque acredita que investir em cultura é investir nas pessoas”, completa.
Uma das características principais do FILE é exatamente a possibilidade da experimentação e da interação. Diferentemente de outras exposições, o visitante não se limita a observar e apreciar as obras à distância.
Segundo os curadores Paula Perissinotto e Ricardo Barreto, o conceito que permeia os trabalhos e a montagem desta 17ª edição do festival é a transgressão de fronteiras e limites entre as diferentes estéticas artísticas e a própria tecnologia.

Infomações retiradas do site: http://www.fiesp.com.br/noticias/hora-de-ultrapassar-limites-no-file-2016/ 
Sentido Único - Angella Conte (Brasil).  
  
The Indivisible - Norimichi Hirakawa (Japão). 
Metamorphy Scenocosme - Gregory Lasserre e Anais Met den Ancxt (França).  
Be Boy Be Girl - Frederik Dierinck E Marleine Van der Werf (Holanda). 
 
 
Robinson - Ting-Tong Chang (Taiwan e Reino Unido). 
Tape São Paulo Numen/for Use: Sven Jonke, Christoph Katzler e Nicola Radelkkovic (Croácia e Áustria). 
Centro Cultural Ruth Cardoso - Fiesp.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

ObjetoVital - Los Carpinteros.

ObjetoVital
Los Carpinteros.
Los Carpinteros: Objeto Vital reúne parte da obra dos coletivo artístico Los Carpinteros. A exposição é composta por diversas obras  dos artistas cubanos Marco Castillo e Dagoberto Rodriguez. a mostra fica em cartaz até 12 de Outubro no Centro Cultural Banco do Brasil.
Os artistas são conhecidos principalmente por questionarem a utilidade das coisas e pelo apelo social de suas obras.
CCBB.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Mantenha Fora Do Alcance Do Bebê.

Mantenha Fora Do Alcance Do Bebê.
(Silvia Gomez).
“Mantenha fora do alcance do bebê” mostra a entrevista de uma mulher (Débora Falabella) com uma assistente social (Anapaula Csernik), parte integrante do processo de adoção de um bebê. Durante a conversa, as coisas fogem do controle e Rubens (Jorge Emil), o marido da entrevistada, segue para o local.
Fora da sala, uma superpopulação de lobos toma ruas, calçadas e linhas de metrô, numa encenação que flerta com o surrealismo e valoriza a dramaturgia, o cenário com poucos elementos e os atores, livres para acharem no palco a gestualidade e os movimentos diretos para um texto tão vigoroso.
sinopse: Teatroportoseguro.com.br
 Elenco: Débora Falabella, Anapaula Csernik, Jorge Emil e Diego Dac.
Essa foi a segunda vez que assistimos a peça Mantenha fora do alcance do bebê, a primeira vez foi no CCSP. Segue o link abaixo do post que fiz da primeira vez que vimos a peça.
http://andreia-inoue.blogspot.com.br/2015/06/mantenha-fora-do-alcance-do-bebe.html
Surpresa maravilhosa encontrar na plateia a Cassia Kiss e não perdemos a chance de tirar uma foto com ela.
Teatro Porto Seguro.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Forever Young.

 Forever Young.
(comédia Musical).
A comédia musical “Forever Young”, do diretor suíço Erik Gedeon, que tem o título inspirado no clássico hit homônimo da banda Alphaville, tem como cenário principal um teatro reformado, transformado em uma espécie de “casa de repouso para artistas aposentados”, aborda o universo da terceira idade com bom humor e muita música, através de uma miscelânea de clássicos do pop e do rock ‘n’ roll, sempre apropriados para a temática.

Para dar vida aos saudosos e simpáticos idosos, com mais de 85 anos, os escolhidos foram Jarbas Homem de Mello, Paula Capovilla, Marcos Tumura, Fafy Siqueira, Carmo Dalla Vecchia e Claudia Ohana, que em cena serão tomados pelas mais diversas lembranças do passado, e irão revivê-las entre diálogos e canções, resgatando seus talentos e personalidades a cada vez que a enfermeira responsável por eles der uma trégua na supervisão.

FOREVER YOUNG é uma hilariante, suave e inteligente "jovem" musical, para todas as idades, com em qualquer musical idade; com canções e hinos musicais dos anos 70, 80 e 90, que desde que eles são parte de nosso DNA; incluindo os maiores sucessos do Queen, Eurythmics, Alphaville, The Rolling Stones, Bob Marley, The Beatles, Bob Dylan, Nirvana, e até mesmo um bloco de rock nacional criados especialmente para a nossa versão. Uma lufada de ar fresco no mundo do musical convencional.
 
Sinopse: compreingressos.com.br
Elenco: Claudia Ohana, Jarbas Homem de Mello, Carmo Dalla Vecchia, Marcos Tumura, Paula Capovila, participação especial de Naima e Miguel Briamonte (piano).
Teatro Fecomercio
(Sala Raul Cortez).

domingo, 21 de agosto de 2016

Vermelho.

 Vermelho.
(Texto de  John Iogan).
Em seu ateliê em Nova Iorque, o consagrado artista Mark Rothko recebe, pela primeira vez, seu novo assistente, Ken, e a partir da pergunta “O que você vê?“ (apontando para uma das pinturas em que trabalhava) inicia-se um eletrizante embate entre os dois. Conceitos artísticos entre as gerações, diferentes bagagens culturais e o mesmo amor pela arte são alguns dos objetos em cena. “Rothko tem uma história fascinante e um entendimento único de arte. Queremos mostrar, de forma leve e bem-humorada, essa grande história”, afirma Bruno Fagundes.
Vermelho se passa no final dos anos 50, quando o icônico pintor (líder do Expressionismo Abstrato) recebeu um convite para pintar grandes painéis de um luxuoso restaurante em Nova York e recebeu uma quantia quase inestimável para a época (o equivalente hoje a 10 milhões de dólares). Um encontro cheio de nuances entre mestre e aprendiz, com arte, reflexão e questionamento, é o plano de fundo em meio ao cenário repleto de detalhes, com preparo de tintas e quadros pintados durante a sessão.
Sinopse: teatrotuca.com.br
Antonio Fagundes e Bruno Fagundes.
Após 80 minutos de espetáculo, Antonio e Bruno Fagundes promovem bate-papo com a plateia, contando curiosidades da montagem e da própria vida do pintor Mark Rothko. 
E leiloam o quadro que pintam na peça.
Teatro Tuca.

sábado, 13 de agosto de 2016

O Impecável.

O Impecável.
Luiz Fernando Guimarães.
Um ator, um salão de beleza e oito personagens de tirar o fôlego. Em “O Impecável”, o público é transportado para uma tarde de sábado na Zona Sul do Rio de Janeiro, onde conhece uma turma com histórias nada convencionais para contar. Dando vida a todas elas está Luiz Fernando Guimarães, que não precisa de mais do que um palco mobiliado com uma bancada e uma cadeira com secador de cabelo para arrancar boas risadas da plateia.
Durante o monólogo, o salão Impecável Beauty recebe pessoas com muitos vícios, poucas virtudes e ótimas histórias. Seus funcionários são personalidades no mínimo exóticas: Seu Francisco, o faxineiro, é um evangélico fervoroso e trabalhador. Já Ednardo, o atendente que deveria dar as boas-vindas, não passa de um preguiçoso que tenta se dar bem enganando a patroa no horário de serviço. Chanderley é a responsável pelas unhas dos clientes, mas parte de sua renda vem de “serviços extras” prestados nas madrugadas em Copacabana. O cabeleireiro Guido vive se gabando dos inúmeros diplomas e de toda sua masculinidade, enquanto Serginho – que não cansa de se autodenominar um hairstylist de mão cheia – passa mais tempo inventando cortes de cabelo inusitados do que realmente atendendo a clientela.
Pelos cuidados dos funcionários passa o Dr. Ivan, um psicólogo boa praça que começou a ser mais vaidoso depois de sofrer a vida inteira com os apelidos ligados à sua aparência nada exuberante. O estabelecimento também recebe Rodolfo, o solteirão que chega para levar a mãe para dar uma repaginada no visual e fica tempo suficiente para trocar dois dedos de prosa com os profissionais. A dona do local, Eleonora, é outra figura nada comum: ex-miss, pouco liga para seu empreendimento, fruto do dinheiro herdado do ex-marido.
No espetáculo, ator, luz e música servem ao primeiro texto não-musical de Charles Möeller e Claudio Botelho. Em um teatro sem enfeites, Marcus Alvisi assina a direção do monólogo apresentado em um cenário que traz apenas o essencial para dar o clima de burburinho característico dos salões de beleza.   
Sinopse:Compreingressos.com
 Luiz Fernando Guimarães.  
 
 
 Teatro Gazeta.