♥ Seguidores♥

Mostrando postagens com marcador #literatura. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #literatura. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 16 de maio de 2017

APCA - 60ª Festa De Premiação Aos Melhores Das Artes Com Foco Na Diversidade.

APCA - 60ª Festa De Premiação Aos Melhores Das Artes
Com Foco Na Diversidade
A Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA realizou seu tradicional evento de premiação dos melhores nas Artes de 2016, em 12 categorias: Arquitetura, Artes Visuais, Cinema, Dança, Literatura, Moda, Música Erudita, Música Popular, Rádio, Teatro, Teatro Infantil e Televisão. 
A cerimônia aconteceu no Theatro Municipal de São Paulo, com apresentações da cantora Céu e do grupo As Bahias e a Cozinha Mineira. 
Doze casais - formados por personalidades do mundo do espetáculo e das artes em geral, com perfis variados e que representa a riqueza étnica e cultural como Juçara Marçal e Thiago Mendonça, além do ator argentino Juan Manuel Tellategui - performaram a entrega dos prêmios. Como mestres de cerimônia, o crítico de teatro e vice-presidente da APCA Miguel Arcanjo Prado e a crítica de televisão Edianez Parente.
Um dos destaques da cerimônia foi o lançamento do livro que comemora os 60 anos da APCA, ilustrado com textos de importantes críticos de cada área, histórico da instituição e mapeamento de todos os premiados desde 1956. 


Ao longo desses 60 anos, graças ao olhar apurado de seus membros, a APCA já revelou dezenas de artistas que contribuíram significativamente para a cultura brasileira, como os teatrólogos Augusto Boal e José Celso Martinez Corrêa, os atores Mateus Nachtergaele e Cleyde Yáconis, o maestro João Carlos Martins, e os músicos Chico Sciense e Maria Rita. Ícones já consagrados da cultura brasileira também foram homenageados: o poeta Carlos Drummond de Andrade, por exemplo, venceu na categoria Poesia do Prêmio em 1973, com a obra As Impurezas do Branco. Já a cantora Elis Regina acumulou sete troféus. 


Os premiados da 60ª edição foram escolhidos em assembleia dos críticos realizada no início de dezembro de 2016, no Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo. Mais abaixo, segue a lista completa dos vencedores.


PREMIADOS 2016

ARQUITETURA
Trajetória - Sergio Ferro
Urbanidade - Projeto Ruas Abertas – Avenida Paulista / Fernando Haddad
Obra de arquitetura - Escola Senai São Caetano do Sul / Claudia Nucci e Valério Pietraróia – NPC Grupo Arquitetura
Preservação de patrimônio moderno - Luciana Brito Galeria – antiga Residência Castor Delgado Perez / Luciana Brito (promotora); João Paulo Beugger, José Armênio de Brito Cruz, Marcos Aldrighi e Renata Semin – Piratininga Arquitetos (readequação arquitetônica); Klara Kaiser,Koiti Mori e André Paoliello (readequação paisagística)
Pesquisa - Atlas fotográfico da cidade de São Paulo e arredores / Tuca Vieira
Fronteiras da arquitetura - Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro / Fernando Meirelles, Daniela Thomas e Andrucha Waddington
Apropriação urbana - Ocupação Hotel Cambridge / Carmen Ferreira da Silva (líder comunitária); Pitchou Luambo (coordenador do Grupo de Refugiados e Imigrantes Sem Teto); Juliana Caffé, Yudi Rafael e Alex Flynn (curadores da Residência Artística Cambridge)
Votaram - Abilio Guerra, Fernando Serapião, Francesco Perrotta-Bosch, Gabriel Kogan, Guilherme Wisnik, Hugo Segawa, Luiz Recaman, Maria Isabel Villac, Mônica Junqueira de Camargo e Nadia Somekh

ARTES VISUAIS
GRANDE PREMIO DA CRITICA – Fernando Lemos
Exposição internacional – O Triunfo da Cor - CCBB
Exposição nacional – VOLPI Pequenos Formatos - MAM
Retrospectiva – No Lugar Mesmo: uma antologia de Ana Maria Tavares - Pinacoteca
Fotografia – Gal Oppido – Sentidos da Pele
Arte e Reflexão – O Instante Certo – Dorrit Harazin
Iniciativa cultural – Programa Metropolis – TV Cultura
Votaram – Ricardo Nicola, Dalva de Abrantes, José Henrique Fabre Rolim, Bob Sousa, João J. Spinelli, Rubens Fernandes Junior, Silvia Balady, Luiz Ernesto Kawall, Fabio Magalhães, Douglas Negrisolli, Jocob Klintowitz, Enock Sacramento, Emilia Okubo

CINEMA
Filme: “Aquarius”, de Kleber Mendonça Filho
Diretor: Gabriel Mascaro, por “Boi Neon”
Roteiro: Kleber Mendonça Filho, por “Aquarius”
Ator: Júlio Andrade, por “Sob Pressão”
Atriz: Andréia Horta, por “Elis”
Documentário: “Cinema Novo”, de Eryk Rocha
Fotografia: Diego García, por “Boi Neon”
Votaram: Inácio Araújo, Luiz Carlos Merten, Orlando Margarido, Rodrigo Baldin e Walter Cezar Addeo

LITERATURA
Grande Prêmio da Crítica: “A Ditadura Acabada -5”, de Elio Gaspari (Intrínseca)
Romance/Novela: “Como Se Estivéssemos em Palimpsesto de putas”, de Elvira Vigna (Companhia das Letras)
Ensaio/Teoria e/ou Crítica Literária/ Reportagem: “Trópicos Utópicos”, de Eduardo Giannetti da Fonseca (Companhia das Letras)
Infantil/Juvenil: “Quem tem medo de curupira?”, de Zeca Baleiro, ilustrações de Raul Aguiar (Companhia das Letras)
Poesia: “Rol”, de Armando Freitas Filho (Companhia das Letras)
Contos/Crônicas: “A(s) Mulher(es) que eu amo”, de Eros Grau (Globo Livros)
Tradução: “[um amor feliz]”, de Wislawa Szymborska, tradução de Regina Przybycien (Companhia das Letras)
Biografia/Autobiografia/Memória: “Rita Lee: Uma Biografia”, de Rita Lee (Globo Livros)
Votaram: Amilton Pinheiro, Gabriel Kwak, Sérgio Miguez e Ubiratan Brasil

MÚSICA ERUDITA
Espetáculo de ópera: DON QUICHOTTE de Massenet. (Theatro São Pedro, abril/2016, direção Jorge Takla)
Prêmio Especial pelo conjunto da obra: Maestro Roberto Duarte (pela revisão sistemática das obras de Carlos Gomes e de Tommaso Traetta)
Instrumentista: Emmanuele Baldini (Spalla da OSESP e Líder do Quarteto OSESP)
Regente de Orquestra: Valentina Pelleggi
Projeto Musical: Programa Preludio da TV Cultura
Cantor Lírico: Rodolfo Giugliani (Lo Schiavo, Theatro Municipal RJ outubro/2016; Il Tabarro, Teatro San Carlo de Nápoles, novembro/2016)
Votaram: Sergio Casoy, Fabio Siqueira, Tellé Cardim

MÚSICA POPULAR
GRANDE PREMIO DA CRITICA: Rita Lee (por sua carreira)
Artista do Ano: Céu
Melhor Álbum: “MM3”, Metá Metá
Produção e Direção Artística: Rica Amabis, Daniel “Ganjaman” Takara e Tejo Damasceno por “Sabotage”, Sabotage
Revelação: Mahmundi por “Mahmundi”
Projeto Especial: SIM São Paulo
Show: BaianaSystem
Homenagem: Fernando Faro (In Memorian)
Votaram: Alexandre Matias, Fabio Siqueira, José Norberto Flesch, Marcelo Costa, Sergio Casoy e Tellé Cardim

RÁDIO
Prêmio Especial do Juri: Bradesco Esportes FM, pela cobertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016
Humorista – Emerson França – Band Bom Dia – Band FM
Apresentador (entretenimento): Serafim Costa Almeida – Banda de Todas as Bandas – Capital AM 1040
Produtor (entretenimento): Mariana Piza – Programa Maritaca – Rádio Vozes (www.radiovozes.com/maritaca)
Produtor jornalístico: Renan Sukevicius – Em Alta Frequência – BandNews FM
Repórter: Marcel Naves – Blitz Estadão – Estadão FM
Colunista: – Claudio Zaidan – Esporte Notícia e Esporte Notícia Internacional – Bandeirantes AM/FM
Votaram: Fausto Silva Neto, Marcelo Abud, Marco Antonio Ribeiro e Silvio di Nardo.

TEATRO
Grande Prêmio da Crítica: Maria Alice Vergueiro
Espetáculo: Sobre Ratos e Homens
Diretor: João Falcão (Gabriela, um Musical) e Kiko Marques (Sínthia)
Autor/Dramaturgia: Vinicius Calderoni (Os Arqueólogos)
Ator: Leonardo Fernandes (Cachorro Enterrado Vivo)
Atriz: Denise Weinberg (O Testamento de Maria)
Prêmio Especial: Lenise Pinheiro (pelo registro histórico da cena teatral paulista)
Votaram: Aguinaldo Cristofani Ribeiro da Cunha (votou somente o Prêmio Especial e o Grande Prêmio da Crítica), Carmelinda Guimarães, Edgar Olimpio de Souza, Evaristo Martins de Azevedo, Gabriela Mellão, José Cetra Filho, Kyra Piscitelli, Marcio Aquiles (votou somente o Prêmio Especial e o Grande Prêmio da Crítica), Maria Eugênia de Menezes, Michel Fernandes, Miguel Arcanjo Prado e Vinício Angelici

TEATRO INFANTIL
Grande Prêmio da Crítica – PEER GYNT, direção de Gabriel Villela
Melhor Espetáculo de Valorização da Cultura Popular - CAMINHO DA ROÇA (Grupo As Meninas do Conto)
Melhor Espetáculo de Bonecos - BERENICES (Grupo Morpheus Teatro)
Melhor Espetáculo de Inclusão e Acessibilidade - FEIO (Coletivo Grão de Arte e Cidadania)
Melhor Espetáculo Interativo - CHIQUITA BACANA NO REINO DAS BANANAS (Grupo Folias D’Arte)
Melhor Espetáculo de Texto Adaptado – HENRIQUES (Cia Vagalum Tum Tum)
Melhor Espetáculo sobre Diversidade Sexual e de Gênero no Universo Infanto Juvenil - A PRINCESA E A COSTUREIRA (grupo Teatro da Conspiração, de Santo André)

Votaram: Beatriz Rosenberg, Dib Carneiro Neto, Gabriela Romeu e Mônica Rodrigues da Costa

TELEVISÃO
Grande Prêmio da Crítica: Domingos Montagner, pelo conjunto da obra (In Memorian)
Novela: “Velho Chico” (Benedito Ruy Barbosa/TV Globo)
Atriz: Selma Egrei (Velho Chico/TV Globo)
Ator: Marco Ricca (Liberdade, Liberdade/TV Globo)
Diretor: José Luiz Villamarim (Justiça/TV Globo)
Série: Justiça (de Manuela Dias/TV Globo)
Infantil: “D.P.A - Detetives do Prédio Azul” (Gloob)
Cobertura Rio-2016: SporTV

Votaram: Bárbara Sacchitiello, Cristina Padiglione, Edianez Parente, Fabio Maksymczuk, Flávio Ricco, José Armando Vanucci, Leão Lobo, Neuber Fischer, Nilson Xavier e Paulo Gustavo Pereira.

DANÇA
Grande Prêmio da Crítica: Marilena Ansaldi
Espetáculo (estreia): Devolve 2 horas da minha vida Projeto Mov_oLA / Alex Santos
Espetáculo (não estreia): “Dança por Correio”
Coreografia / Criação: “Rubedo” – Cia de Dança Siameses / Maurício de Oliveira
Interpretação: Zélia Monteiro por Percursos Transitórios
Revelação: Grupo Fragmento Urbano
Espaço de Difusão: Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo
Prêmio Técnico: Equipe Técnica do Teatro Alfa
Projeto / Programa: CCSP Semanas de Dança 2016 – Centro Cultural São Paulo
Memória: Ballet Stagium 45 anos
Votaram: Amanda Queirós, Ana Francisca Ponzio, Cássia Navas, Flávia Couto, Henrique Rochelle, Iara Biederman, Renata Xavier, Simone Alcântara e Yashara Manzini

MODA
Revelação em Moda: Lab-Emicida e Evandro Fióti
Coleção: À La Garçonne
Estilista do ano: Ronaldo Fraga
Fotógrafo: Gil Inove
Profissional da Beleza: Fabiana Gomes
Stylist: Pedro Sales
Prêmio Especial da Crítica: Alberto Hiar pela compra da Zoomp
Votaram: Pedro Diniz, Chantal Sordi, Silvia Rogar, Mario Mendes e Matheus Evangelista
 Theatro Municipal de São Paulo

As informações foram retiradas do release de divulgação de imprensa.

domingo, 23 de agosto de 2015

Quem Tem Medo De Curupira?

Quem Tem Medo De Curupira? 
O músico Zeca Baleiro, que viveu boa parte de sua infância em contato com lendas e folclore do Brasil, escreveu o musical Quem Tem Medo de Curupira? no intuito de resgatar esse universo fantástico. Assim o autor coloca em cena as criaturas Curupira, Boitatá, Caipora, Iara e Saci, que acreditando-se esquecidas pelas pessoas do século XXI, resolvem fazer uma viagem até a cidade grande com o propósito de resgatarem sua popularidade e autoestima. Nessa aventura, os seres mitológicos, convictos de suas magias, entram em contato com o curioso e também tenebroso desconhecido mundo das metrópoles, além de ex-habitantes das florestas já enraizados na realidade urbana, como um índio aculturado, um lenhador cético e um pé de jacarandá fugitivo. As músicas do espetáculo são de autoria de Zeca Baleiro e conduzem o público em uma viagem por diversos gêneros brasileiros, com rápida incursão pro ritmos urbanos como rock e rap. Quase toda a movimentação no palco é feita por danças populares coreografadas, combinadas com canções pop.
(Informações retiradas do livreto da peça).
Musical maravilhoso que mostra o folclore brasileiro de uma maneira bem divertida. É impossível não gostar.
Teatro do Sesi (tive a sorte de encontrar o Zeca Baleiro, sou fã).

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Na Sala Com Danuza.

Na Sala com Danuza.
 Danuza Leão.

Esse livro é muito divertido. A Danuza Leão tem um estilo único de descrever e de explicar como devemos nos comportar em diversos tipos de situação (em festas, em viagens, casamentos, com os amigos,...), e tudo em um clima descontraido e engraçado. Ela conta diversas passagens da vida dela e dá conselho de como evitar ser um mala (tanto no dia-a-dia, como na vida social). Serve também para presentear  algum colega que não se comporta muito bem, aqueles que não tem muita noção de educação, hahaha.
Comprei esse livro em um sebo no centro de São Paulo por 1 real, foi uma bagatela, porque o livro é muito legal e estava em ótimo estado (tirando as partes que estavam marcadas com os nomes dos amigos incovenientes do antigo dono,acho que por isso que ele se desfez do livro, hahaha. Mais valeu os rabiscos, serviu para umas risadas extras).

terça-feira, 15 de março de 2011

Do Outro Lado - Natsuo Kirino

Do Outro Lado -
Natsuo Kirino.
Sinopse: Nos arredores de Tóquio, quatro mulheres trabalham no extenuante turno da noite de uma fábrica de refeições prontas. sobrecarregadas de tarefas e dívidas pesadas e longe dos maridos e filhos, secretamente sonham com uma saída para suas rotinas sem esperança.
Yayoi Yamamoto é uma jovem mãe vítima de violência doméstica que, incapaz de suportar mais agressões, estrangula o marido infiel, viciado em jogo, e confessa o crime a Masako Katori, sua colega mais próxima. Arrebatada pelas próprias razões, Masako concorda em ajudar a amiga e pede auxílio às outras companheiras de trabalho para livrar-se do corpo.
como prêmio, as mulheres recebem parte do seguro de vida de Yamamoto. Mas isso é apenas o início. O crime bem sucedido, mas não premeditado, e as recompensas que ele traz são embriões de um esquema planejado, violento, com resultados imprevisíveis para as mulheres que o iniciaram.

O que achei: Esse foi o primeiro livro de suspense/terror que li e que me marcou, não consegui parar de ler um só momento. O livro é eletrizante e muito chocante (principalmente na parte que  descreve como desovar um cadáver, é de deixar qualquer um enjoado e amedrontado). O que deixa amedrontado é que geralmente imaginamos um psicopata capaz de fazer algo tão sinistro, e nunca uma pessoa comum, tipo uma senhora pacata com cara de avó.
E gostei de ter lido esse livro, principalmente por retratar os sentimentos das pessoas que vão trabalhar nas fábricas. Como trabalhei bastante como operária, a cada parte que descrevia a rotina do trabalho, do ambiente, das máquinas de café, do desgate físico,... relembrava as minhas experiências com um tantinho de saudade e alívio.
Voltando para o livro, apesar dos capítulos aterrorizantes, o livro é sugoi, é totalmente imprevisível e fascinante. E a escritora explorou muito bem todos os personagens e nos permitia saber o que cada um deles pensava, o que os levava a agir de determinado modo.
Um dos personagens é um brasileiro.
Capa Sinistraaaaaa.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

A Saga dos Foxworth - Virgínia C. Andrews

O jardim dos esquecidos (primeiro livro da saga) é um dos livros que lembro detalhadamente, apesar de ter feito muito tempo que o li. Acho que se deve principalmente por causa da carga dramatica e da narrativa muito forte. Para mim foi impossível esquecer a história das quatro crianças que foram trancadas no sotão.
E por um acaso encontrei os outros livros e terminei de ler o último hoje. Fui intercalando com outros livros, porque foi impossível ler um atrás do outro ( eles são muito chocantes, tensos e tristes). É muita gente má, muito ressentimento, busca por vingança e principalmente fanatismo religioso.
Então deixo a dica para quem gosta de livros antiguinho, sei que nos Estados Unidos essa saga ficou super famosa, tem até filme, mais para mim os livros já foram de bom tamanho.
->A história gira em torno principalmente de amor, incesto e sacrifício.
-> Romance de paixões mesquinhas e exaltadas, envolve os personagens numa aura de pecados e maldição que se estende a todos os que o cercam.

A Saga dos Foxworth - Virgínia C. Andrews
1 -> O Jardim dos Esquecidos,
2 -> Pétalas ao Vento,
3 -> Espinhos do Mal,
4 -> Sementes do Passado,
5 -> O Jardim das Sombras.


1 - O Jardim dos Esquecidos.
No sótão estão escondidos quatro segredos - segredinhos louros, bonito,inocente e que lutam para sobreviver.Os quatro filhos da família Dollanganger levavam vidas perfeitas - uma bela mãe, um pai amoroso e dedicado, uma linda casa. De repente, o pai morre em um desastre automobilistico e a mãe fica endividade e não possuí qualificações para ganhar a vida e sustentar a família. Assim, decide escrever aos parentes - seus parentes milionários, dos quais as crianças nunca tinham ouvido falar. A mãe lhes fala dos avós ricos, de como Chris, Cathy e o gêmeos levaram vidas de príncipes e princesas na luxuosa mansão dos avós. As crianças deleitam-se com as perspectivas da nova vida, até descobrirem que existem algumas coisas que a mãe nunca lhes contou.

2 - Pétalas Ao Vento.
Eram crianças tão valentes para suportarem tanto sofrimento. Crianças tão espertas para escaparem a tamanho terror! Para Carrie, Chris e Cathy, o sótão era um horror sombrio que jamais lhes saia da cabeça, mesmo enquanto eles construíam vidas novas e promissoras. Naturalmente, a mãe tinha que fingir que eles não existiam. E a avó estava convencida de que eles traziam o demônio dentro de si. Mas a culpa não era deles, Era? Cathy sabia o que fazer. Agora, tinha os poderes que aprendera da linda mãe. Sabia-o pelo modo como o irmão ainda a desejava, pela maneira como o tutor a tocava, pelo jeito como todos os homens a olhavam. Ela sabia que chegara a ocasião de colocar em prática seu conhecimento. De mostrar à mãe e à avó que o sofrimento e terror no sótão não podiam ser esquecidos... Mostrar a elas - de uma vez por todas.

3 - Os Espinhos do Mal.
Das cinzas do mal, Chris e Cathy construíram um lindo lar para seus esplêndidos filhos...
Jory, de quatorze anos, era tão bonito, tão delicado. E Bart possuía uma imaginação tão brilhante para um menino de nove anos. Então, acenderam-se luzes na casa vizinha abandonada. E em breve a Velha Senhora de Negro passou a observá-los com olhos intrometidos, protegida por seu esquisito e velho mordomo. Logo a mulher de manto negro convidou Bart para tomar sorvete com bolinhos e lhe pediu para tratá-la por "Vovó". E a transformação de Bart começou...
Uma transformação brotada do "livro de segredos" que o esquelético velho mordomo lhe deu... e alimentada pela insinuação de fatos terríveis relativos a seus pais... uma transformação que o levou a cometer atos chocantes de vilência, autodestruição e perversidade.

4 - Sementes do Passado.
Era terrível a volta para Foxworth Hall, aquele casarão medonho aonde passará os anos mais atormentados de sua vida, pensava Cathy. Mesmo que se tratasse de uma réplica da Foxworth que conhecerá, era uma réplica que capitava toda a atmosfera de horror e perversidade demoníaca do avô Malcolm. Mas foi Chris quem se encarregou de desfazer os sombrios pensamentos de Cathy.
Nesse quarto livro, a história gira em torno do Bart e Jory já adultos.


5-Jardim das Sombras.

Olivia sonhou com um amor cheio de sol, uma vida feliz. Então entrou em Foxworth Hall. O livro gira em em torno de segredos terríveis e de paixões escuras, proibidas - do tempo antes das flores no sótão começarem. Muito antes que o terror florescesse no sótão, Olivia veio a Virgínia como noiva de Malcolm Foxworth. Imaginava que, com seu marido considerável alto, encontraria a alegria que tinha esperado. Mas na mansão sombria cheia de quartos e desejos escondidos, uma mancha de obsessão ciumenta começa a espalhar... um mal que ameaça suas crianças, dois meninos encantadores e uma muito especial, e bonita menina. Por dentro uma criança inocente, vidas secretas chocantes... um segredo que leva o nome orgulhoso de Foxworth, e assombra todas suas vidas para sempre.
- O Quinto livro é a história da avó perversa. Na verdade, esse livro poderia ter sido o primeiro da série.