♥ Seguidores♥

Mostrando postagens com marcador #teatrofolha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #teatrofolha. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Beatles Num Céu De Diamantes.

Beatles Num Céu De Diamantes.
Charles Möeller & Claudio Botelho.
O Musical reúne o que há de mais representativo no repertório do quarteto de Liverpool que é ícone do rock mundial. Em cena, oito atores-cantores, fazem um espetáculo leve, jovem e emocionante.
Vista por mais de 700 mil pessoas em 16 temporadas ao longo de 10 anos, a montagem chama a atenção pela ousada releitura nos arranjos que dispensaram a guitarra e valorizaram a sonoridade do contrabaixo, piano e percussão. O resultado musical se afasta de qualquer imitação dos arranjos da banda para mostrar releitura, originalidade criativa e o preciosismo nos arranjos vocais assinados por Jules Vandystadt, que por este trabalho ganhou o Prêmio Shell de melhor arranjo original no Rio de Janeiro, em 2009.
Möeller e Botelho optaram por fazer o espetáculo sem determinar  um enredo unica. As canções sugerem diversas histórias e situações e a cada número musical, o elenco apresenta um estado cênico diferente para falar de sonhos, descobertas, amadurecimento e outros temas suscitados pelas músicas.
O jogo cênico toma conta do palco, com poucos recursos de cenografia. O elenco usa somente alguns objetos em cena, como, malas, guarda-chuvas, bolhas de sabão e cadeiras para valorizar a emocao, e o clima dramático de cada cena.
Informações retiradas do programa do musical.
Elenco: Carol Pita, Andrei Lamberg, Carol Bezerra, Daniel Klepacz, Giovanna Moreira, Felipe Mafra, Ingrid Gaigher e Diogo Martins.
Músicos: Juliana Ripke, Pelé Nascimento e Noa Stroeter.
Músicas: Lucy In The Sky With Diamonds, Because, She`s Living Home, Strawberry Fields Forever, Magical Mystery Tour, Help!, Blackbird, Here Comes The Sun, Get Back, Michelle, Hey Jude, Eleanor Rigby, My Love, Till There Was You, If I Fell, She Loves You, I Want To Hold Your Hard, A Hard Day`s Night, Can`t Buy Me Love, All My Loving, And I Love Her, something, While My Guitar Gently Weeps, Oh, DArling, Yesterday, Let It Be, Come Together, Ob-la Di Ob-la Da, Yellow Submarine, The Long And Winding Road, Across The Universe, Here, There And Everywhere, The End, All You Need Is Love.
Espetáculo maravilhoso, todos estavam incríveis e foi fantástico ver a releitura de alguns dos maiores clássicos dos Beatles. Todos estão de parabéns, que produção caprichada, que vozes e interpretação!!!! Super recomendo!!!
Teatro Folha.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Não Vamos Pagar!

Não Vamos Pagar!
Dario Fo e Franca Rame.
Não vamos pagar! é uma comédia ágil e provocativa que desenrola a partir de uma reclamação contra a alta de preços num supermercado que desencadeia uma série de situações surpreendentes e inesperadas. Constrói-se uma rara e inteligente combinação de crítica social e humor. 
Sinopse: Antônia e Margarida não conseguem chegar ao fim do mês com as contas em dia. Antônia acabou de perder o emprego e seu marido, João, trabalha numa fábrica prestes a ser fechada. Em protesto pelo aumento abusivo dos preços, um grupo de donas de casa acaba saqueando um supermercado. Antônia participa do ato, o que desencadeia uma sequência de incidentes que vai exigir muito jogo de cintura e criatividade, gerando soluções inesperadas a medida que ela, com o auxílio relutante de Margarida, tenta evitar que o seu marido, homem honesto e de fortes princípios, e as forças da lei, que vasculham todas as casas, descubram os itens roubados.
Não vamos pagar! trata-se de uma comédia de riso franco, sem subterfúgios, onde o falso e o absurdo tomam conta da narrativa.
Informações retiradas: Não Vamos Pagar!
Ingressos: Não Vamos Pagar!
É com muito orgulho que trago essa peça para o Brasil,  nesse momento político e econômico tão difícil que faz com que esse texto, escrito na Itália em 1974, se torne tão atual. Virginia Cavendish
Elenco: Virginia Cavendish, Marcello Airoldi, Luisa Vianna, André Dale e Zéu Britto.
Teatro Folha.

sexta-feira, 17 de março de 2017

O Homem Das Cavernas.

O Homem Das Cavernas.
Rob Becker.
A peça é uma brincadeira divertida e perspicaz sobre as formas como homens e mulheres se relacionam, conseguindo que ambos os sexos morram de rir e se reconheçam. O ator Norival Rizzo interpreta personagem que repensa sua vida amorosa enquanto, inspirado no homem das cavernas, disseca as diferenças entre homens e mulheres.Com um efeito pacificador nos desentendimentos entre homens e mulheres.
A primeira montagem estreou em São Francisco, em 1991, e foi rapidamente levada para Dallas, Washington, Philadelphia e Chicago, antes de sua estreia na Broadway, em 1995. Depois de dois anos e meio e 702 apresentações no teatro Helen Hayes Theater, “O Homem das Cavernas” entrou no livro dos recordes como o monólogo que mais tempo ficou em cartaz na história da Broadway. Rob Becker escreveu “O Homem das Cavernas” depois de um período de três anos de estudo informal de antropologia, pré-história, psicologia, sociologia e mitologia. Usou como base as informações para criar um texto com grande capacidade de comunicação com o público.
 Teatro Folha, com sessões as terças e quartas-feiras, 21h.

quinta-feira, 9 de março de 2017

O Empréstimo.

O Empréstimo.
Uma comédia de Jordi Galceran.
Direção e tradução de Isser Korik.
O Empréstimo(el credito) faz sucesso por onde passa e já pode ser considerada uma das peças de Galceran com maior número de montagens. Já foi montada na Espanha, Hungria, Itália, Alemanha, Grécia, Turquia, Bulgária, Estônia, Suíça, Polônia, Romênia, Finlândia, Peru. Chile, Costa Rica, Venezuela, Colômbia, Porto Rico, Argentina , Uruguai, México e Estados Unidos.
Esta peça é a mais recente obra de teatro escrita pelo autor, editada por Ediciones Antígona, e lhe rendeu o primeiro toro de Dramaturgia Catalana.
Segundo o autor, "No nosso mundo civilizado, quando você precisa de dinheiro você vai ao banco pedir um empréstimo. Se não o concedem, você dá meia volta e vai para casa, cabisbaixo, pensando que as coisas vão mal, que o crédito não flui, que a crise...ou não.
Hoje, talvez não. Talvez hoje, quando você tem o crédito negado, não volte para casa com o rabo entre as pernas. Talvez você olhe o gerente nos olhos, coloque as cartas na mesa e diga que é você que tem alguma coisa no bolso do colete, e que se ele não lhe der o dinheiro você vai agir, nada violento, meu deus, não! Mas hoje, se o gerente noa libera a grana, talvez você transforme a vida dele numa verdadeira catástrofe."
Informações retiradas do programa da peça.
Leonardo Miggiori (o cliente) e André Mattos (o gerente).
Teatro Folha.