♥ Seguidores♥

Mostrando postagens com marcador #LiteraturaBrasileira. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #LiteraturaBrasileira. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Memórias Póstumas De Brás Cubas.

Memórias Póstumas De Brás Cubas.
Musical Cômico - Fantástico
(Machado De Assis).
Uma ótima peça para quem já leu, esta lendo, vai ler ou não vai ler (mais quer saber), sobre um dos maiores clássicos da literatura brasileira.
inspirado no romance homônimo de Machado de Assis, o espetáculo mostra de maneira irônica e cínica, a vida de Brás Cubas. Brás Cubas morre, e para passar o tempo no seu descanso eterno, resolveu escrever um livro de suas memórias. Brás (o defunto-autor), narra o seu nascimento em uma família abastada e tradicional do Rio de Janeiro (o que permitiu que vivesse a vida inteira sem precisar comprar  pão com o suor do seu rosto), narra alguns episódios da sua infância, os estudos no exterior, dos amores, do seu amigo Quincas Borba, e tudo contado com humor, deboche e um pouco de pessimismo. 
O espetáculo traz uma visão moderna do romance, alicerçando-se esteticamente na carnavalização, salientando a parte filosófica e fantástica de Brás Cubas, em detrimento de uma leitura folhetinesca e realista.
Marcos Damigo está sozinho no palco para viver um Brás Cubas bem-humorado, irreverente, egoísta e amoral. Com uma narrativa não linear, o personagem dialoga com seu público, canta, dança, discorre sobre seus envolvimentos amorosos, lembra a família e os amigos, enquanto passeia pelas agruras da sociedade de seu tempo.
A obra traz à tona toda a atualidade deste livro seminal de Machado de Assis, oferecendo ao público a possibilidade de olhar para um retrato genial da sociedade brasileira no século XIX.
Informações retiradas:Teatro Eva Herz
"Em 1881, quando o romance foi escrito, Memórias Póstumas foi uma explosão de modernidade, dissecando a elite brasileira. Infelizmente, seguimos entendendo cada palavra de Machado de Assis com irônica atualidade. Nestes tempos sombrios, precisamos revirar as tripas corroídas do defunto Brás Cubas para entender por que nossa elite insiste em fingir-se liberal quando essencialmente mantém-se escravocrata."
Regina Galdino.
"O defunto e o ator tem pontos em comum: estão livres das convenções sociais, não respeitam as leis de tempo e espaço e, sobretudo, conseguem olhar para o mundo sem o véu do cotidiano. Regina foi muito feliz nesta adaptação, ao brincar livremente com os códigos teatrais e ao mesmo tempo se manter fiel ao livro. Que felicidade a minha ter sido confiado a esta missão! Toda gratidão a ela, ao Machado e à equipe que tornou essa loucura - porque fazer teatro nos tempos atuais é um ato de resistência - possível."
Marcos Damigo
"Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico como saudosa lembrança estas  Memorias Póstumas"
Adorei muito a peça, Marcos Damigo simplesmente perfeito e arrasador no papel de Brás Cubas. Que preparo físico, que memória e principalmente que interpretação. Memórias Póstumas e um Espetáculo perfeito que vai além de entreter.
Teatro Eva Herz (Livraria Cultura - Conjunto Nacional)
Quinta e Sexta
As 21H.

domingo, 23 de agosto de 2015

Quem Tem Medo De Curupira?

Quem Tem Medo De Curupira? 
O músico Zeca Baleiro, que viveu boa parte de sua infância em contato com lendas e folclore do Brasil, escreveu o musical Quem Tem Medo de Curupira? no intuito de resgatar esse universo fantástico. Assim o autor coloca em cena as criaturas Curupira, Boitatá, Caipora, Iara e Saci, que acreditando-se esquecidas pelas pessoas do século XXI, resolvem fazer uma viagem até a cidade grande com o propósito de resgatarem sua popularidade e autoestima. Nessa aventura, os seres mitológicos, convictos de suas magias, entram em contato com o curioso e também tenebroso desconhecido mundo das metrópoles, além de ex-habitantes das florestas já enraizados na realidade urbana, como um índio aculturado, um lenhador cético e um pé de jacarandá fugitivo. As músicas do espetáculo são de autoria de Zeca Baleiro e conduzem o público em uma viagem por diversos gêneros brasileiros, com rápida incursão pro ritmos urbanos como rock e rap. Quase toda a movimentação no palco é feita por danças populares coreografadas, combinadas com canções pop.
(Informações retiradas do livreto da peça).
Musical maravilhoso que mostra o folclore brasileiro de uma maneira bem divertida. É impossível não gostar.
Teatro do Sesi (tive a sorte de encontrar o Zeca Baleiro, sou fã).

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Na Sala Com Danuza.

Na Sala com Danuza.
 Danuza Leão.

Esse livro é muito divertido. A Danuza Leão tem um estilo único de descrever e de explicar como devemos nos comportar em diversos tipos de situação (em festas, em viagens, casamentos, com os amigos,...), e tudo em um clima descontraido e engraçado. Ela conta diversas passagens da vida dela e dá conselho de como evitar ser um mala (tanto no dia-a-dia, como na vida social). Serve também para presentear  algum colega que não se comporta muito bem, aqueles que não tem muita noção de educação, hahaha.
Comprei esse livro em um sebo no centro de São Paulo por 1 real, foi uma bagatela, porque o livro é muito legal e estava em ótimo estado (tirando as partes que estavam marcadas com os nomes dos amigos incovenientes do antigo dono,acho que por isso que ele se desfez do livro, hahaha. Mais valeu os rabiscos, serviu para umas risadas extras).