♥ Seguidores♥

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

O Coração Dos Homens.


 O Coração Dos Homens.
Texto: Veronica Stigger
No romance “Amuleto”, de Roberto Bolaño, um dos personagens alude ao “coração dos homens, que sangra como as mulheres […] e que obriga os verdadeiros homens a se responsabilizarem por seus atos, quaisquer que sejam”. Desta passagem, a jovem e premiada autora brasileira Veronica Stigger extraiu o título de seu novo monólogo, que nos coloca diante da voz de uma mulher que relembra sua infância, em Porto Alegre, nos últimos anos da ditadura militar. Da rememoração de uma peça infantil, encenada em inglês para alunos de pré-escola, emerge uma reflexão que tem no sangue uma espécie de motivo condutor, sobre a violência implícita nas relações de gênero, classe e raça. O texto sensível de Veronica evidencia tanto um conflito social da personagem como um conflito existencial, características que levam o público a transitar entre a emoção e o estranhamento, favorecendo a reflexão para além do simples envolvimento.

Parte do monólogo integra Sul (Editora 34), livro da autora.
Sinopse retirada do programa da peça.
O cenário da peça é montado de um modo como se estivéssemos em uma sala de terapia. A atriz representa uma paciente que nos envolve com seus relatos e vai  narrando os conflitos de sua vida e apresenta para a plateia,  que as relações humanas podem ter uma violência implícita ou explícita, principalmente em relação contra as mulheres.

Trecho do poema O Coração Dos Homens .
(Veronica Stigger).

...Todos tinham que se ajoelhar no chão duro e gelado
e entoar cinco pai-nossos, quatro ave-marias e dois credos.
E, depois, deviam ler, em uníssono, este trecho da Bíblia:


“Quando uma mulher tiver um fluxo de sangue 

e que seja fluxo de sangue do seu corpo, 

permanecerá durante sete dias na impureza das suas regras.



Quem a tocar ficará impuro até a tarde...

Toda cama sobre a qual se deitar com o seu fluxo ficará impura, 

todo móvel sobre o qual se assentar ficará impuro...

Tietando Fernanda Cunha.
Teatro do Cemitério De Automóveis
Temporada: Até 18 de Dezembro de 2016.
Ingresso: R$ 20,00

Nenhum comentário: